segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Bar do Cidão


Fica ali, pertinho do agito da Vila Madalena. Bar das antigas, de muitas histórias, com jeito e alma de boteco. Não destes que vemos por aí, que se vestem de boteco, mas que são assim barzinhos enrustidos e projetados para isto. Boteco de boutique.

Ele fica ali, com nome francês e apelido bem brasileiro, poucas mesas enfileiradas. Senta-se em uma mesa e quase se participa da conversa ao lado. Pelo pequeno espaço é impossível ficar indiferente ao samba, que te invade por todos os lados.

É fácil pedir a música, é fácil participar da roda, é fácil sair cantando e sair de lá feliz por se sentir parte daquilo tudo.

O samba lá é paulistano, é choro, é das antigas. E quem aparece, apaixonado por samba. Não estranhe se seu vizinho de mesa de repente tirar um cavaco e entrar na roda. Não estranhe se tiver mais músicos na banda do que na platéia.

O dono anda para lá e prá cá, serve as mesas e dá o nome à casa. Conta com a simpatia do filho, o pequeno Zé Maria. Moleque, que como dizem, já nasceu com personalidade pronta. Assim como o bar.

Este é o Bar do Cidão, entre e sinta-se em casa.

Onde: Café Du Revé, vulgo Bar do Cidão - rua Deputado Lacerda Franco
Quando: de domingo a domingo
Quanto: R$ 8



2 comentários:

Jaq disse...

zé maria é coisa linda de deus!

Flávia disse...

Isso sem falar da calabresa, que é sensacional!