sexta-feira, 1 de maio de 2009

Virada Cultural


Bom dia!

Não há como falar mal de um evento que ocorre em São Paulo e que propõe uma integração social tão ampla, mas deixo aqui a minha ressalva à organização deste ano.

Haverá palco de samba-rock, de homenagem ao Raul Seixas, à França, etc e tal, mas o Samba e o Choro ficaram esquecidos no evento deste ano. Não houve destaque algum na programação para uma das principais manifestações culturais da cidade. O palco até existe, mas não tem destaque na lista de programações, não cita quem serão os artistas, convida uma pequena massa e o espaço destinado à ele, fica distante das principais atrações.

Lembrando que o ano passado havia um palco de samba - um dos mais frequentados - e que atrações típicas da cidade como "Quinteto em Branco e Preto","Samba da Vela","Eduardo Gudin", "Samba do Cafofo", ganharam destaque e tiveram espaço apropriado junto as demais atrações.

De qualquer forma, o samba sobrevive e pede passagem. Haverá 24 horas de samba na Praça Alfredo Issa:

18h Grupo Nossa Chama
20h Comunidade Partidária
22h Mania da Gente
00h Rene Sobral
2h Pagode da Guarani
4h Magemolê
6h Paranapanema
8h Sambaqui
10h Partido na Cozinha
12h Cafofo
14h Laje
16h Graça Braga.

Pode-se notar a ausência dos mais expressivos nomes do samba de SP como: Oswaldinho da Cuíca, Paulo Vanzolini, Quinteto em Branco e Preto, Morro das Pedras, Berço do Samba de São Mateus, Samba da Vela, Inimigos do Batente, Eduardo Gudin, Carmen Queiroz, Kiko Dinucci e Bando AfroMacarrônico, João Borba e tantos e tantos outros grupos e intérpretes de SP.

Sinceramente uma vergonha ao samba paulistano que mostra cada vez mais sua força e importância e que foi esquecido pelo poder público nesta Virada Cultural.

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá Renato.
Concordo totalmente com você.
No ano passado o palco chamado "Boteco dos Bambas" foi um sucesso! Sempre muito cheio, animado e harmonioso. Assisti o Quinteto em Branco e Preto com D. Ivone Lara, vi Germano Mathias, Thobias da Vai Vai e Eliete Rosa,etc.
Realmente não entendi o motivo para deixar o samba de lado.
Neste ano a Organização do evento deu a possibilidade de receber sugestôes. Pedi Diogo Nogueira, Roberta Sá, Teresa Cristina, Casuarina, Moyseis Marques, Sururu na Roda,etc. Enfim vários nomes do samba que seria muito bom para o evento,mas infelizmente não fui atendido.

Anônimo disse...

Correção: Eliseth Rosa e não Eliete como escrevi acima.
Desculpa primeira dama!

Renato Rotta disse...

É isto aí!

E acho que diversos outros sambistas da própria cidade aceitariam tocar por muito pouco em um evento tão importante.

Como deixar de fora Murilão, Germano Mathias, Oswaldinho da Cuíca, Danilo Brito, entre outros clássicos da cidade?

Uma vergonha.